A Rede Estadual de Catadoras e Catadores de Materiais Recicláveis participou da reunião da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vereadores de Fortaleza na manhã desta quinta-feira (09/11). A presidente da Rede, Lilian Teixeira, apresentou demandas da categoria e denúncias a respeito da condução da Prefeitura de Fortaleza na gestão compartilhada dos galpões de triagem e da política de resíduos sólidos que vem sendo implementada pelo poder municipal, deixando catadoras e catadores à margem.

Na tentativa constante de diálogo com as secretarias do município responsáveis pela política de resíduos sem que as demandas mais básicas tenham sido atendidas – além de reunião com o próprio prefeito Roberto Cláudio em junho deste ano, a Rede recorreu à Comissão de Direitos Humanos da Câmara na expectativa de encontrar apoio e mediação pelo poder legislativo.

A vereadora Larissa Gaspar, à frente da Comissão, propôs a solicitação de reunião com as secretarias e órgãos responsáveis: Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (SEUMA), Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Autarquia de Regulação, Fiscalização e Controle dos Serviços Públicos de Saneamento Ambiental (ACFOR) e as Regionais III, IV e VI, áreas onde estão localizados os três galpões públicos de triagem. Ficou encaminhando ainda diálogo com o Ministério Público Estadual sobre as recomendações enviadas à Prefeitura para resolução dos problemas de infraestrutura dos galpões da Associação de Catadores/as do Jangurussu (Ascajan) e da Associação Maravilha, na Vila União, além da cessão de uso e licenciamento ambiental desta última.

No related posts.