Foi realizada na noite da última terça-feira (14/10) reunião para tratar dos últimos detalhes do projeto de voluntariado que visa atender 40 pessoas, entre mulheres e jovens, numa ação que pretende capacitar as/os participantes para reciclagem e reaproveitamento de roupas usadas no município de Crateús. A atividade é parte integrante da Campanha Mundial “Uma família humana: pão e justiça para todas as pessoas” animada pela Cáritas Internacional e implementada pela Cáritas Diocesana de Crateús (CDC) através de rodas de conversas e cadastro de voluntárias/os.

Esta primeira ação envolvendo oficinas de reciclagem de roupa iniciará dia 21/10 em Crateús. A partir dela serão percebidas as afinidades e habilidades do grupo para continuar o investimento com essa ação ou partir para outras linhas de reciclagem. “A expectativa é preparar essas pessoas para algo no qual elas possam aprender um ofício e futuramente consigam gerar renda a partir das próprias produções”, explicou Gorete Soares, membro da Artcrat e futura facilitadora das oficinas de reciclagem de roupas como voluntária da CDC.

“Estamos retomando parcerias históricas com organizações como a Cáritas. Uma das nossas atribuições é encaminhar famílias em condição de vulnerabilidade para formações técnicas e cidadãs”, pontuou Maria das Dores Maia, mais conhecida como Dorinha, atual secretária adjunta de assistência social da Prefeitura Municipal de Crateús. Também participaram do encontro voluntárias, representantes da Frente Social Cristã e Paróquia Senhor do Bonfim, que participarão dessa ciranda em favor da solidariedade.

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

Erbênia Sousa, coordenadora da CDC, explica que voluntariado foi tema da décima assembleia da entidade, realizada em abril deste ano. A estratégia adotada a partir de então foi cadastrar pessoas e organizações voluntárias que possam contribuir com dinheiro, doações de objetos e roupas, ou até mesmo com serviço. “Vamos iniciar o projeto de reciclagem com roupas doadas pelo Colégio Vitória de Crateús. Estudantes realizaram gincanas onde foram arrecadadas além de roupas, mais de 70 cestas básicas que distribuímos pelos bairros vulneráveis da cidade”, explicou.

As pessoas beneficiadas pelas cestas foram cadastradas e o objetivo é realizar ações que contribuam para a libertação dessas pessoas, tanto do ponto de vista da capacitação técnica como cidadã. O projeto a ser iniciado no final do mês é a primeira concretização. Contudo, ações semelhantes estão sendo gestadas em Tamboril, Quiterianópolis e Ipaporanga, devendo se estender a todas as cidades atendidas pela CDC. “Todo esse processo está sendo construído com voluntárias/os, através de doações e parceria com o poder público”, concluiu Erbênia.

A Cáritas de Crateús anima o projeto de voluntariado – parte integrante da campanha mundial para combater a fome – com rodas de conversas concomitantes a todos os projetos desenvolvidos pela própria. A exemplo do projeto de Educação Contextualizada, no qual cinco municípios e cerca de 423 educadoras/es são beneficiadas/os, cada participante está sendo convidada/o a contribuir como pode para quem precisa, da forma como puder. A exemplo do Colégio Vitória, diversas escolas acompanhadas pela CDC planejaram ou já realizaram gincanas para participar dessa ciranda de solidariedade.

Por Eraldo Paulinho da Cáritas Diocesana de Crateús

No related posts.