As famílias da comunidade lagoa do Américo, localizada na zona rural de Carnaubal na serra da Ibiapada, distante 304 km de Fortaleza agora podem respirar aliviadas. As famílias que tiveram suas casas demolidas a mando de donos de empresas de energia eólica receberam indenização no valor de R$ 37.500,00 para reconstruir suas novas moradias.

Em setembro de 2013 cerca de 40 famílias foram alvo da violência e tiveram suas casas derrubadas a mando de supostos donos do terreno que querem vender as terras para empresas do ramo de energia eólica. No início da noite duas máquinas invadiram a comunidade e destruíram uma casa de farinha e mais seis casas de trabalhadores/as que no momento estavam participando dos festejos da padroeira da comunidade e não virão à ação.

Moradores que estavam na vizinhança presenciaram a ação e acionaram a polícia que prendeu em flagrante os motoristas das máquinas e os dois advogados da empresa. Horas depois os quatro homens foram liberados sob pagamento de fiança no valor de R$ 42 mil.

As famílias junto com a associação fizeram denúncia no Ministério Público e desde então ficaram participando de audiências de conciliação e negociação para ter de volta suas moradias. Nas viárias audiências ocorridas os moradores se negaram a aceitar a proposta da empresa no valor de R$ 30.000,00. No último dia 30 de julho, em nova audiência com a presença de diversas entidades e dos moradores findou-se a negociação. As famílias assinaram acordo junto à empresa e perante o juiz para receber indenização no valor de R$ 37.500, além de ganhar um poço profundo no valor de 40mil reias. As famílias festejaram a vitória.

Para o presidente da associação da Lagoa do Américo, Valdiná Brito da Costa o momento é de comemoração, mas a comunidade passou momentos difíceis de terror. “Fomos ameaçados de ser expulsos de nossas terras, fomos xingados, humilhados, mas com nossa luta estamos vencendo! Estamos mais fortes do que nunca”, relatou.

Seu Valdiná conta que foi difícil à vida das famílias que tiveram que se alojar na casa de amigos e familiares enquanto a situação se resolvia. “São trabalhadores, homens e mulheres honestos que não mereciam ficar nessa situação sem moradia e terra para plantar”, contou.

Com a notícia as famílias já deram início à construção das novas casas e confirmaram que depois das casas levantadas farão uma grande festa com missa para celebrar o acontecimento, a data ainda não foi agendada.

Por Jeane Freitas, comunicadora Cáritas Regional Ceará

 

 

No related posts.